Documentário Raul – O início, o fim e o meio foi um dos vencedores da mostra

Taverneiros de plantão, é com muita honra e felicidade que anuncio aqui na Taverna que o Documentário, Raul – O início, o fim e o meio foi um dos vencedores da 35ª. Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Fico feliz por ter tido a oportunidade de assistir ao documentário e acho que foi mais do que justo o prêmio. O documentário venceu a categoria de melhor Longa-metragem documentário e empatou com “Vai Vai: 80 Anos nas Ruas”, de Fernando Capuano na categoria melhor Documentário brasileiro.  E mais uma vez dali Raulzito, nosso mentor aqui na Taverna.

E para não perder o hábito: TOCA RAUL!

Aproveitando segue a lista completa dos premiados da Mostra:

Premio aquisição Canal Brasil – Curta-metragem (R$ 15 mil)

“A Casa da Vó Neide”

PREMIO ITAMARATY

Curta-metragem (R$ 15 mil)

“Cine Camelô”, de Clarissa Noll

Longa-metragem documentário (R$ 30 mil)

“Raul: O Inicio, o fim e o Meio”, de Walter Carvalho

Longa-metragem ficção (R$ 45 mil)

“Receberia as piores noticias dos seus lindos lábios”, de Beto Brant e Renato Ciasca

Prêmio Itamaraty Conjunto da Obra
Hector Babenco

PRÊMIOS DA CRÍTICA

Prêmio especial da critica: “Sábado Inocente”, de Alexander Mindadze

Melhor filme: “Era uma Vez na Anatolia”, de Nuri Bilge

PRÊMIOS DO PUBLICO

Melhor documentário brasileiro

Empate: “Raul: O Inicio, o fim e o Meio”, de Walter Carvalho; “Vai Vai: 80 Anos nas Ruas”, de Fernando Capuano

Melhor documentário internacional: “Batidas, Rimas e Vida”, de Michael Rapaport

Melhor ficção Brasileira: “Teus Olhos Meus”, de Caio Sóh

Melhor ficção internacional: Empate- ” Frango com Ameixas” de Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud; “Desapego”, de Tony Kaye

Prêmio da Juventude: “Uma Incrível Aventura”, de Debs Gardner-Paterson

PRÊMIOS DA MOSTRA

Prêmio Humanidade Leon Cakoff : Atom Egoyan e Mohsen Makhmalbaf

Melhor documentário: ” Marathon Boy”, de Gemma Atwal

Melhor ator: Théodor Júliosson

Melhor atriz: Alina Levshin por Condad Girls

Melhor filme: “Respirar” de Karl Markovics (Austria)

Anúncios

Sobre Carla Oliveira

Uma parte de mim pesa, pondera: outra parte delira. Uma parte de mim é só vertigem:outra parte, linguagem. Traduzir-se uma parte na outra parte - que é uma questão de vida ou morte - será arte? Ver todos os artigos de Carla Oliveira

Cachaceiro, sinta-se a vontade para deixar um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: